Selam realiza programação especial com temática sobre karatê

*Texto: Leonardo Moniz/Selam | Fotos: Divulgação

Em comemoração ao aniversário de 255 anos de Piracicaba, celebrado no mês de agosto, a Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras (Selam) preparou uma programação especial na próxima semana para as aulas de karatê do Programa Desporto de Base (PDB). No total, serão seis atividades gratuitas divididas em dois dias. A agenda começa na terça-feira, 30/08, às 9h, com a oficina aberta ao público sobre o Karatê e a Ética do Cuidado de Si, no Centro Multiesportivo do Engenho Central (Barracão 14C). A organização é do professor da Selam, Fabio Augusto Pucineli.

Fabio Augusto Pucineli é professor de karatê da Selam

Fabio Pucineli é professor de karatê da Selam

No mesmo dia, às 14h, os alunos do PDB participarão de uma aula especial com a família na Estação da Paulista, que também recebe uma dinâmica às 17h sobre o karatê como defesa pessoal para mulheres (cisgênero e transgênero). Essa atividade é exclusiva para o público-alvo. Na quarta-feira, 31/08, a aula especial em família acontece às 9h na Estação da Paulista, enquanto a oficina sobre o Karatê e a Ética do Cuidado de Si e a dinâmica sobre defesa pessoal para mulheres serão realizadas no Engenho Central, às 14h e às 17h, respectivamente.

“Desenvolvido em Okinawa, ilha localizada no extremo sul do Japão, o karatê é hoje uma das práticas corporais combativas mais conhecidas em todo o mundo. Recentemente foi incluída como modalidade olímpica nos Jogos de Tóquio, o que acentuou ainda mais sua popularidade. Além de acontecer como um esporte, e também aliado à autodefesa, o karatê teria algo a mais para oferecer? Como uma prática de um lugar tão distante pode se fazer próxima? Como pensar, sentir e praticar o karatê como uma ética de cuidado? São essas algumas das questões que discutiremos”, afirmou Pucineli.

“A atividade sobre o karatê como defesa pessoal para mulheres tem como objetivo oferecer algumas ‘ferramentas’ para auxiliar o público feminino no enfrentamento de eventuais agressões. O problema da violência contra as mulheres é bastante sério, complexo, e as estatísticas têm aumentado. Conhecer recursos para ao menos reduzir danos diante de uma situação de risco pode ser uma importante estratégia para se defender”, completou o professor da Selam, que é praticante de karatê há mais de 30 anos, faixa preta 6º Dan e já visitou Okinawa sete vezes para estudar e praticar a arte marcial japonesa. Atualmente, Pucineli desenvolve uma pesquisa de doutorado sobre as relações entre o karatê, a ética e os cuidados de si.




‹ Voltar