Representantes do esporte piracicabano são homenageados em São Paulo

*Capa: CREF4/SP/Divulgação

O Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região (CREF4/SP) comemorou na última segunda-feira (5) o Dia do Profissional de Educação Física, em cerimônia realizada no Plenário Juscelino Kubistchek, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). O evento homenageou profissionais que se destacaram pela atuação na área. O secretário de Esportes, Lazer e Atividades Motoras (Selam), Hermes Balbino, o assessor especial de projetos da Pasta, Johnny Godoy, e a assessora de gabinete Maria Angélica Gonçalves da Silva, a Branca, receberam a honraria ‘Comenda do Estado de São Paulo’.

Representantes do esporte piracicabano foram homenageados na Alesp - Foto CREF4-SP

Representantes do esporte piracicabano foram homenageados na Alesp

Já o professor Paulo Camargo, assessor da Selam que foi técnico da seleção brasileira de tênis de mesa, pela qual sagrou-se medalhista pan-americano, mundial e paralímpico, foi condecorado com a Medalha da Educação Física. A cerimônia homenageou mais um personagem de extrema relevância para a história do esporte piracicabano: o professor Hélio Sacconi, que recebeu o Prêmio Benemérito da Educação Física. Hélio foi jogador de futebol profissional durante 12 anos, mas nunca escondeu a paixão pela ginástica. Na abertura dos Jogos Abertos do Interior, em 1969, na cidade de Araraquara, ele montou com os amigos de faculdade uma equipe para se apresentar na ginástica acrobática.

Além de ginasta, Hélio ensinou o esporte em colégios como Anglo e Dom Bosco, e na Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), local em que está instalada a primeira sala de ginástica artística no Estado de São Paulo – montada por ele. Hélio também fez cursos de trampolim acrobático e se tornou árbitro. A filha, Cibeli, logo herdou o talento e o amor pela modalidade: foi ela a primeira ginasta a ganhar uma medalha na ginástica para Piracicaba nos Jogos Regionais, com um pódio obtido na trave.

FUTEBOL

Nos gramados, Hélio integrou o elenco do XV no final da década de 1960. Ex-goleiro, ele guarda na memória lembranças de uma campanha que rendeu ao Nhô Quim a Taça dos Invictos de 67. “A equipe começou a jogar e conforme o tempo foi passando, fomos nos entusiasmando para continuar invictos. A festa em Piracicaba foi muito prazerosa quando conquistamos o título (Série A2). A chegada nossa aqui, desde a entrada da cidade, foi com caravana e fogos. Um fato pitoresco que aconteceu foi com um palanque montado na praça em frente à Catedral, que estava completamente lotada. As pessoas subiram em cima da fonte com bandeiras do XV. Mas o pessoal pulou tanto em cima do palanque que ele desabou (risos)”, recordou.

Hélio Sacconi, com a Taça dos Invictos conquistada em 1967 - Foto Leonardo Moniz-Selam

Hélio Sacconi, com a Taça dos Invictos conquistada em 1967 (Foto: LM/Selam)

O ex-goleiro começou a trajetória no clube aos 16 anos, em 1961. Na época, era juvenil, mas foi chamado pelo técnico Remo para ser suplente em uma partida contra o Santos de Pelé e Coutinho. Helio Sacconi permaneceu no XV até março de 1968 e estreou contra o Taubaté no antigo estádio Roberto Gomes Pedrosa. “Jogar lá era muito bom, mas para o adversário era terrível (risos). Na hora do jogo, passava um trem da Sorocabana que vinha de São Pedro. E quando o trem passava, o XV marcava. A torcida já se inflamava e acabava saindo um gol mesmo. Era uma festa só (risos). Para mim, foi um prazer enorme. Faz mais de 50 anos que parei e ainda hoje encontro com pessoas na rua que lembram de mim”, completou.




‹ Voltar