Instituto Família Barrichello retoma aulas em Piracicaba

*Texto e fotos: Leonardo Moniz/Selam

As aulas do Projeto ECA – Esporte e Cidadania em Ação foram retomadas em Piracicaba nesta segunda-feira, 25/07, nos núcleos instalados no Ginásio Poliesportivo Roberto Filetti, no bairro Vila Sônia, e no Centro Social do Santo Antônio. A iniciativa é realizada pelo Instituto Família Barrichello e busca promover o desenvolvimento saudável e de competências pessoais, boa convivência em grupo, aprendizagem de habilidades psicossociais e motoras para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos. O projeto conta com o apoio da Prefeitura de Piracicaba, por meio da Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras (Selam) e da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads).

As aulas do Projeto ECA acontecem em dois núcleos na cidade de Piracicaba

As aulas do Projeto ECA acontecem em dois núcleos na cidade de Piracicaba

As atividades acontecem às segundas e quartas-feiras nos dois núcleos. No reencontro com os educadores após as férias, os educandos mostraram ânimo e disposição para correr pela quadra, mas também uma dose de cansaço. “Nas rodas de conversa que abrimos, eles nos contaram que estavam com saudades, mas revelaram que fizeram poucas atividades, ficaram mais tempo no celular e isso gerou um pouco de cansaço”, contou a educadora Marinara Ocanha, que atua no Vila Sônia. Nas primeiras aulas do segundo semestre, o Projeto ECA trabalhou com duas modalidades: flag football e vôlei.

“Nós utilizamos conceitos, fundamentos e habilidades para fazer uma introdução às modalidades”, explicou Marinara. O conteúdo, porém, vai muito além do âmbito esportivo. As brincadeiras e os jogos são utilizados como pilares para o ensino de conceitos como a boa convivência, a formação de equipes e o respeito. “A palavra empatia é muito trabalhada aqui. São conceitos e valores que ensinamos a partir de momentos lúdicos e os educandos sempre lembram disso”, destacou Ana Urizzi, educadora do ECA no Ginásio Poliesportivo Roberto Filetti.

Além das modalidades esportivas, crianças e adolescentes também participam de rodas de conversa durante as aulas. O espaço é considerado fundamental para o desenvolvimento humano, que se dá também pelo brincar e pelo próprio esporte. “Nas brincadeiras que nós realizamos, ocorre a aprendizagem acidental. Já nas rodas de conversa, nós concretizamos esse conhecimento, estimulamos os educandos a falarem sobre o que vivenciaram. O esporte é utilizado realmente como uma ferramenta e, neste contexto, trabalhamos aspectos como a disciplina, o respeito e a responsabilidade”, afirmou Ana.

As rodas de conversa são utilizadas para concretizar o aprendizado nos jogos

As rodas de conversa são utilizadas para concretizar o aprendizado nos jogos

HORÁRIOS

Atualmente, os horários das aulas no núcleo do Centro Social do Santo Antônio são os seguintes: segundas e quartas-feiras, das 9h30 às 11h e das 13h30 às 15h30 para crianças de 6 a 8 anos, e apenas às segundas-feiras, das 15h30 às 17h30, para a faixa etária dos 9 aos 12 anos. No Ginásio Poliesportivo Roberto Filetti, são cinco turmas, também com atividades às segundas e quartas-feiras: das 8h às 10h (6 a 9 anos), das 10h às 12h (13 a 17 anos), das 14h às 15h20 (7 a 10 anos), das 15h20 às 16h40 (11 a 12 anos) e das 16h40 às 18h (13 às 17h).

Ao todo, o projeto tem capacidade para atender 240 educandos. Para participar, basta comparecer ao núcleo nos horários de atividade para fazer uma aula experimental e a inscrição, que é gratuita. O ECA, financiado via Lei de Incentivo ao Esporte e patrocinado pela Caterpillar, é uma das ações idealizadas pelo Instituto Família Barrichello, que atua há 17 anos com diferentes programas em organizações sociais, movimentos, escolas e espaços públicos localizados em bairros com registro de alta vulnerabilidade social e econômica.  Mais informações podem ser obtidas no site institutobarrichello.org.br, e-mail katia@institutobarrichello.org.br ou pelo Instagram @instituto.barrichello.

A educadora Ana Urizzi aponta o esporte como ferramenta de educação

A educadora Ana Urizzi aponta o esporte como ferramenta de educação




‹ Voltar