Fran, o homem que mudou a história do tênis de mesa

Francisco Eduardo Bueno de Camargo, o Fran, idealizador do Centro de Treinamento Fran TT - Tênis de Mesa

Fran foi pioneiro na forma de pensar e ensinar tênis de mesa (Foto: Selam)

“A minha família ao meu lado. Os meus filhos, Francine, Kiko e Fabiane, e minha esposa Doraci. Todos juntos, acreditando e realizando um projeto. Essa é a foto da minha vida”. É impossível contar a história do tênis de mesa no Brasil sem mencionar o piracicabano Francisco Eduardo Bueno de Camargo, o Fran. Aos 64 anos, ele herdou o gosto pelo pingue-pongue (sim, pingue-pongue!) do pai, José Antonio Bueno de Camargo, o José ABC. “Meu pai, no início dos anos 1950, jogava pingue-pongue. Era pingue-pongue mesmo, porque o tênis de mesa foi introduzido em Piracicaba em 1957, quando o Biriba, que era uma lenda, veio para cá”, recordou.

A ligação com a mesa, as bolinhas e a raquete começou quando Fran tinha apenas 9 anos de idade. “Meu pai já era jornalista, mas o meu tio, Antonio Carlos Usberti, que era dentista, jogava representando a cidade. Eu estava no basquete e queria ver os jogos. Meu tio me levava, fechava o consultório e íamos. O tênis de mesa sempre esteve na minha vida. Sempre tive facilidade. Mas o interesse pelo esporte veio pelo meu pai”, contou.

Jornalista esportivo, José ABC levava o filho para assistir competições, o que deixou Fran fascinado. “Adorava! O que eu mais fazia era jogar futebol no Dom Bosco, mas algumas vezes as quadras estavam ocupadas. Então, havia uma mesa lá. Era uma brincadeira, uma distração”, disse, recordando também das vezes que praticava em casa, na mesa de jantar. Ativo no esporte, Fran participou pela primeira vez aos 11 anos dos Jogos Infantis, competição que envolvia todas as escolas da cidade e durava duas semanas. O resultado? Oito medalhas de ouro. “Eu treinava sozinho, empiricamente. Pulava na rua, saltava, jogava bola, tênis de mesa. Lembro que ganhei as provas de 50 e 100 m, salto em altura, salto em distância, basquete, vôlei… Isso me fascinou ainda mais”, afirmou.

Em paralelo, Fran jogava basquete e futebol. No primeiro campeonato de futebol na categoria dente de leite realizado em Piracicaba, disputado na década de 1960, Fran era o capitão do XV. A equipe chegou à final e teve um pênalti para cobrar. “Eu bati e errei. A bola deu nas duas traves e saiu. Foi a minha primeira frustração. Eu treinava no antigo estádio do XV (Roberto Gomes Pedrosa) e lembro de estar com as chuteiras nas costas quando encontrei o Joãozinho, meu reserva na época. Eu era um bom meia-armador. Ele me disse: ‘Fran, você joga onde quiser. Eu não. Não tenho dinheiro e nem chance. Estou investindo tudo no futebol. Se você continuar aqui, eu não jogo’. Peguei a chuteira e entreguei para ele. Nunca mais joguei futebol”, disse. Joãozinho, que mais tarde seria conhecido como Joãozinho Paulista, faria carreira no futebol: primeiro no XV e depois no Atlético-MG, chegando à final do Brasileirão, em 1977, além de fazer história no CRB de Alagoas.

Francisco Eduardo Bueno de Camargo, o Fran, idealizador do Centro de Treinamento Fran TT - Tênis de Mesa

A vocação para ser treinador foi descoberta cedo (Foto: Arquivo Pessoal)

O prazer encontrado no esporte, porém, nunca se repetiu com as salas de aula. A rotina do menino era pular o mulo da escola para jogar bola ou ir ao ginásio assistir partidas de basquete. A ‘esperteza’, contudo, foi desmontada. “Ligaram para o meu pai e contaram que eu não aparecia na escola havia seis meses. Meu pai descobriu aonde eu estava e me puxou pelo cabelo até chegar em casa. No dia seguinte, comecei a trabalhar com ele no jornal, vendendo assinaturas. Mas, na hora do almoço, eu descia na redação, pegava uma lauda e começava a escrever. Depois, rasgava tudo e colocava no lixo. Uma vez, eu esqueci. Meu pai viu o texto e perguntou o que era aquilo na redação. Quando ele soube, no dia seguinte, me acordou e falou para eu ler a última página, pois teria uma surpresa: tomei o café, peguei a página de esportes e lá estava minha coluna no Jornal de Piracicaba: Corta Luz (Fran)”, relembrou.

No matutino, também desenvolveu a paixão pela fotografia – aos 14 anos, foi o primeiro fotógrafo profissional contratado pela empresa. “A primeira máquina tinha um flash bem vagabundo (risos)”, brincou. Mas a principal vocação do piracicabano sempre foi a de treinador, independente da modalidade. Ainda nos Jogos Infantis, foi o responsável pelas primeiras medalhas conquistadas pela Escola Estadual Jaçanã Altair Pereira Guerrini. “Entre 1974 e 76, ganhamos tudo pelo Palmeiras (Clube de Regatas Palmeiras), quando me pediram para jogar e tomar conta da equipe, e acabei como jogador e técnico. Vencemos os Jogos Interclubes de Piracicaba, que eram famosos e envolviam toda a cidade. Aí fui convidado pelo presidente Laerte Ramos de Moura para trabalhar no Clube de Campo de Piracicaba (CCP) e começamos a nos destacar em eventos fora daqui. Resumindo: aos 18 anos, já era técnico no clube e na Prefeitura de Piracicaba”.

Francisco Eduardo Bueno de Camargo, o Fran, idealizador do Centro de Treinamento Fran TT - Tênis de Mesa

As clínicas realizadas revolucionaram a modalidade (Foto: Arquivo Pessoal)

Em 1975, quando jogava basquete, Fran foi afastado pelo técnico Roberto Filetti da equipe de Piracicaba que iria disputar os Jogos Regionais por indisciplina. O desejo de participar do evento o levou a oferecer para a Comissão Municipal de Esportes, embrião da atual Secretaria de Esportes, Lazer e Atividades Motoras (Selam), a montagem de uma equipe de tênis de mesa. Em 1977, vieram as primeiras medalhas da modalidade no certame. No ano seguinte, o primeiro título de campeão. De lá para cá, apenas em 1999 a equipe piracicabana não venceu a competição no tênis de mesa. A evolução na modalidade foi meteórica. Em 1981, Fran assumiu o cargo de técnico da seleção paulista; dois anos depois, ingressou na seleção brasileira, primeiro como técnico e depois na função de coordenador geral das categorias de base. Porém, o cenário não era um ‘mar de rosas’.

“No começo, encontrei muita resistência da colônia japonesa. Eu era o estranho no ninho, a seleção brasileira era algo muito fechado. Fui procurar o pessoal para aprender, mas ninguém me ofereceu nada e então passei a estudar por conta própria. Para pegar uma revista japonesa, lá em São Paulo, na Liberdade, e ter mais acesso à informação, tive que pedir para um amigo japonês reservar. Era muito restrito, mas consegui o respeito à base de resultados e esforço próprio desde o início”, relatou.

Clínica de Tênis de Mesa - El Salvador e Barbados

Clínica com as seleções de Barbados e El Salvador (Foto: Arquivo Pessoal)

PROFISSIONALIZAÇÃO

Fran mapeou o mercado do tênis de mesa e foi pioneiro para a profissionalização da modalidade, elaborando clínicas e oferecendo consultoria. Em 1991, participou da conquista da primeira medalha feminina do Brasil na história dos Jogos Pan-Americanos, em Cuba. “Eu já tinha três filhos pequenos e precisava sobreviver. Então, comecei a pensar: o tênis de mesa não desenvolve porque não tem clube, e se não tem clube, não tem jogador. Qual é o elemento que pode movimentar isso? Os técnicos. Se consigo treinadores, crio a demanda. Nos primeiros três anos, formei 30 técnicos. Isso aumentou o número de clubes, despertou o interesse e criou um mercado paralelo. Voltamos a dominar na América do Sul”, destacou.

O lucro virou investimento: Fran chegou a formar mais de 500 técnicos, treinando na Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) e no Ginásio Municipal Waldemar Blatkauskas, além de realizar assessoria em vários municípios – pelos cálculos dele, eram mais de 50 mil km rodados por ano pelo Brasil. Foi assim que surgiu a ideia de construir o Centro de Treinamento da Fran TT, inaugurado em janeiro de 1997. “Não para lucrar, mas para desenvolver o esporte. Quando conseguimos levantar o CT, houve uma ‘guerra’ para tirar nossa força na seleção brasileira. O meu maior sonho era levar o Brasil para a primeira divisão do Mundial. Em 2004, ganhamos a segunda divisão e subimos”, falou Fran, que na época já era coordenador geral do selecionado nacional.

Francisco Eduardo Bueno de Camargo, o Fran, idealizador do Centro de Treinamento Fran TT - Tênis de Mesa

CT sediou projetos olímpicos, da União Latina e ITTF (Foto: Divulgação)

Os resultados acompanharam o piracicabano dentro e fora da ‘mesa’ – logo no primeiro ano de projeto olímpico, foram 51 medalhas internacionais conquistadas pelo Brasil nas categorias de base. Além de formar e capacitar técnicos, Fran foi dirigente da União Latino-Americana e da Federação Internacional de Tênis de Mesa (ITTF, na sigla em inglês), e desenvolveu a Liga Paulista. Entretanto, o CT gerou uma série de desgastes com a própria Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM). “Decidi romper em 2004 com a seleção brasileira. Não queria mais. Mantivemos mais um ano por causa do Marles (Martins, técnico). Foi o fim de um ciclo”, apontou.

CONQUISTAS

O título de campeão mundial da segunda divisão com a equipe masculina, em 2004, no Japão, garantiu o primeiro acesso do Brasil para a elite da modalidade. “O trabalho que fizemos gerou uma herança. O Calderano (Hugo, campeão individual nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em 2015), por exemplo, veio para cá com 8 anos, porque não tinha esse trabalho no Rio de Janeiro. Ele fez seis clínicas aqui. O Thiago (Monteiro, ouro em quatro edições do Pan) também. Sem a contribuição de Piracicaba, o Brasil não estaria na primeira divisão”, enalteceu.

O fim do ciclo olímpico, mais tarde, abriria espaço para outra jornada no esporte: a seleção paralímpica. “Tivemos uma receptividade grande na Selam, em 2008, com a introdução da modalidade nos Jogos Abertos do Interior, que foram disputados em Piracicaba. Aí, mais uma vez, a confederação nos procurou dizendo que a história seria diferente. Vi que era muito importante para dar um salto nos treinamento. Os resultados vieram mais uma vez: conseguimos a primeira medalha mundial paralímpica do Brasil, na China, com a equipe feminina. Trouxemos o bronze com a Jennyfer Parinos e a Bruna Alexandre, em 2014. Além disso, 90% da seleção paralímpica andantes já treinava conosco”, destacou.

Bruna Alexandre, Jennyfer Parinos e Danielle Rauen, medalha de bronze nos Jogos Paralímpicos

Bruna, Jennyfer e Dani: bronze nos Jogos do Rio (Foto: Arquivo/CBTM)

A missão principal visava os Jogos do Rio de Janeiro, em 2016. Fran coordenou o trabalho dirigido pelo técnico piracicabano Paulo César Bueno de Camargo. O ápice veio com o bronze olímpico obtido pela equipe feminina, formada por Danielle Rauen, Jennyfer Marques Parinos e Bruna Alexandre. “Não recebemos dinheiro sequer para pagar a conta de luz. São anos de trabalho duro. Desenvolvemos um projeto do zero e, se você falar de tênis de mesa e de Brasil, somos referência, desde o início à profissionalização. O amor pelo esporte foi o que construiu essa história”, finalizou.

Francisco Eduardo Bueno de Camargo, o Fran, idealizador do Centro de Treinamento Fran TT - Tênis de Mesa

35 anos trabalhando com formador e mais de 20 mil alunos (Foto: Selam)




‹ Voltar